Dar ou não dar um animal de estimação para seu filho?

Dar ou não dar um animal de estimação para seu filho?

A maioria das crianças sonha em ter um animalzinho de estimação, porém os pais muitas vezes entram em conflito com esta ideia, já que existem alguns receios em relação a convivência dos pequenos com esses bichinhos. A Dra. Carol Braga, Psicóloga Infantil e Familiar esclarece essa dúvida e conforta a decisão dos pais sobre o assunto.

“No aspecto emocional, através de estudos, não há registros de algo negativo em se ter um animal de estimação em casa, claro que devemos sempre avaliar as condições físicas de cada situação. Do ponto de vista emocional se trata de falarmos de amor, carinho, respeito, cuidado e dedicação! A convivência com os bichinhos estimula o desenvolvimento cognitivo, emocional, físico e social da criança” ressalta a psicóloga.

Os animais são verdadeiros facilitadores sociais, onde estão, atraem atenção e geram interação entre as pessoas, principalmente entre as crianças, que se encantam facilmente com estes seres vivos. E no ambiente familiar, sem dúvidas, esses animais estreitam o relacionamento entre os membros da família e essa união é essencial para o desenvolvimento da criança.

” Os pets são capazes de despertar nas crianças o afeto, o companheirismo e o senso de responsabilidade com o próximo, pois em qualquer lugar que estejam, necessitam de cuidados e atenção especial. Neste momento, inclusive, os pais podem atribuir pequenas tarefas para os filhos realizarem e auxiliarem no dia a dia do bichinho, transmitindo os princípios da responsabilidade e estimulando a autoestima dos pequenos, já que estes se sentirão prestativos e fazendo parte de algo importante” destaca a profissional.

De acordo com estudos científicos, crianças que convivem com seus animais de estimação apresentam menores chances de contrair asma ou alergias, pois desenvolvem um sistema imunológico mais resistente.

O convívio com animais de estimação desde a infância também favorece emocionalmente a criança, reduzindo os índices do desencadeamento da ansiedade infantil, uma vez que a preocupação e os cuidados que devem ser dedicados aos bichinhos faz com que os pequenos foquem no presente, sem se sentirem angustiados e preocupados com o que vem pela frente. Além disso, o vínculo com os animais faz com que o organismo libere ocitocina, responsável por proporcionar sensação de bem-estar.

Além dos benefícios já citados, a convivência com os animais também tira a criança da zona de conforto, da tendência ao sedentarismo e estimula a criatividade e habilidades motoras. “Uma dica valiosa para os pais que querem incluir um animalzinho de estimação na rotina da criança, é de estimular a prática de atividades físicas, como passeios em parques, brincadeiras com brinquedos apropriados para animais, etc.” orienta a psicóloga.

A profissional também ressalta que a decisão de ter ou não um pet na rotina familiar deve ser feita a partir das condições da família e da preferência dos pequenos, além disso, é importante também pesquisar as raças mais adequadas às crianças.
Os animais também são uma vida e merecem cuidados adequados, por isso, tome uma decisão responsável

Sobre o Autor

Thais Oliveira Santos

Jornalista de profissão, sagitariana nata, otimista sempre.De todas as coisas que eu gosto, escrever está entre as 5 melhores. Ser mãe me mostrou uma pluralidade incrível e uma tolerância notável. De tudo que passei, não mudaria nada pra chegar até aqui.

Sem Comentários

Deixe uma resposta