O bebê chegou e você está triste? Fique de olho no Baby Blues!

O bebê chegou e você está triste? Fique de olho no Baby Blues!

Tristeza no pós parto? A palestra da psicologa Bruna Lyra Paes, na 2′ SEMANA DO BEBÊ falou sobre o puerpério (pós parto) é uma fase delicada em que a mãe passa por um milhão de sintomas: é a verdadeira montanha russa de sentimentos com o bebê nos braços. Se você está se sentindo triste, perdida ou culpada, calma! O que acontece na maioria dos casos é o chamado baby blues que é causado pelas alterações hormonais bruscas que a mulher sofre no pós-parto.

Hoje assisti uma palestra incrível, cheia de informações bacanas e bem real sobre a chegada da maternidade na vida de uma mulher. Já sabemos que ninguém é de fato preparado para ser mãe, e que o que é idealizado é diferente da realidade de se tornar mãe. Para mim a palavra desse encontro é idealização e o como o ser humano sofre quando suas expectativas não são alcançadas, em qualquer momento da vida mais em particular na maternidade, onde tudo nos é vendido como maravilhoso, fácil, colorido e cheio de momentos felizes.

A Bruna, psicologa convidada no 2′ SEMANA DO BEBÊ que aconteceu no Mendes Plaza Hotel, trouxe informações preciosas sobre o pós parto e como ele não é valorizado na sua complexidade. Sim por que cada mulher é diferente e temos aquelas que conseguem levar essa fase bem e feliz essa fase porém, uma grande maioria não passa bem essa fase e acreditem, mascaram uma falsa felicidade para se sentirem incluídas na maternidade. Assustador não ?

baby-blues

Conheci o Baby blues, que é a fase que antecipa a depressão pós parto. O Baby é aquela fase em que você se assusta com o novo cenário, fica triste, melancólica, ansiosa com todas as novidades que esse primeiro momento da maternidade te apresenta. Como dar conta de tudo e ser uma mãe boa? Essa tristeza materna é temporária e com o bebê crescendo a tendencia é a mãe voltar a se sentir bem e confortável com a nova realidade.

Os principais sintomas do Baby Blues são: tristeza, ansiedade, irritabilidade, choro. Acredito que muitas mulheres passaram por essa fase, porque sabemos que a vida muda e aceitar essa mudança já é fundamental para aceitar a maternidade.

Quando esses sintomas duram meses e a mãe não apresenta melhora, continua insatisfeita com a rotina, sente falta de apetite, cansaço extremo, falta de vontade de viver é hora de procurar uma ajuda profissional pois a coisa está séria. A depressão pós parto não é uma “frescura” da mãe, a familia e os amigos precisam olhar aquela mãe com respeito e ajudar sem pré-conceitos. Sentimentos não possuem protocolo, cada pessoa reage de uma forma e com os hormônios em frangalhos é super comum uma fatalidade acontecer bem próximo a nós!

São sintomas de depressão pó-parto:

  • Sentir-se acabada e triste a maior parte do tempo;
  • Sentir-se assustada sem motivo aparente;
  • Incapacidade de apreciar a vida;
  • Incapacidade de desejar coisas e rir;
  • Sentir-se sem valor;
  • Ter idéias suicidas

A psicologa Bruna Paes Lyra listou algumas dicas do que fazer para facilitar a organização da gestante:

  • Adiantar o que for possivel durante a gestação;
  • Falar sobre como se sente;
  • Manter a comunicação com o parceiro;
  • Contar com uma rede de apoio;
  • Saber que está fragilizada não a torna má mãe;
  • Delegar tarefas
  • Não ter vergonha de pedir auxílio
  • Entregar-se e aceitar as transformações

Confesso que não tinha idéia do abismo que a depressão pos parto pode ser na vida de uma mulher, isso sem listar as condições externas (marido, emprego, casa, demais filhos, familiares) que a mãe precisa administrar!

Para quem quiser saber mais ou precise de ajuda nessa fase, deixo o contato da psicóloga Bruna Paes Lyra (bruna.szegedi@gmail.com) ou telefone 99645-6758

Sobre o Autor

Thais Oliveira Santos

Jornalista de profissão, sagitariana nata, otimista sempre.De todas as coisas que eu gosto, escrever está entre as 5 melhores. Ser mãe me mostrou uma pluralidade incrível e uma tolerância notável. De tudo que passei, não mudaria nada pra chegar até aqui.

Sem Comentários

Deixe uma resposta